We fetch to your notice a new website where you can buy priligy australia at a low cost with fast delivery to Australia.

Microsoft word - monografia_ju_final__2__2[1].doc

Um caso clínico de sexualidade, uma leitura SUMÁRIO

SUMÁRIO .2
2.1 - Psicodrama - Projeto socioeconômico de J. L. Moreno .7 2.2 - Contribuições na abordagem da sexualidade com pacientes graves.14 4- APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DA SESSÃO.22 4.1 - Átomo social- constituição familiar.22 4.2 - Projeto Terapêutico e Processo Psicoterápico.23 4.3 - Contexto anterior à primeira crise psicótica.25 4.4 - Sessão de psicoterapia- outubro de 2007 .25 Anexo II- Termo de autorização para realização da pesquisa Esta pesquisa visa ampliar o estudo na proposta de tratamento das psicoses e o desenvolvimento de planos de cuidados apropriados que atendam as necessidades específicas desta população. Sugere-se o Psicodrama e o método de pesquisa-ação-socionômico como recurso de abordagem e tratamento de pacientes graves. Além disso, propõe-se a psicoterapia de grupo como espaço de experimentação de relações de ordens distintas daquelas que produziram sua loucura/sintoma, e a psicoterapia familiar para sustentação terapêutica. Palavras-chave: Psicodrama, Psicose, Psicoterapia de grupo, Psicoterapia
ABSTRACT
This research aims to expand studies in psychosis treatment approach and the development of appropriate care plans that attend to psychotic specific needs. Psychodrama and ‘socionomic-action-research’ method is proposed as a resource of approach and treatment of patients with severe mental disorders. Group psychotherapy is suggested as a space to experiment different kinds of relationships from the ones which produced their mental illness and Family Psychotherapy as a tool for therapeutic sustenance. Key-words:
1- INTRODUÇÃO
Sabe-se que 1% da população mundial sofre de esquizofrenia (Kaplan 1992 apud McCann 2003), uma doença que potencializa dificuldades de relacionamentos pessoais e interpessoais, além de produzir efeitos na libido e na expressão da Adicionado a isto, após a Reforma Psiquiátrica, houve uma mudança no direcionamento clínico do tratamento de pacientes graves que, começam a ser atendidos em novos dispositivos de assistência como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), e os Hospitais Dia, que não o excluem do entorno social. É importante salientar que, no momento em que o louco deixa de ser marginalizado e ocupar o lugar de não saber (ausência de razão) ele passa a ocupar o lugar daquele que se conhece. Baseado nesta visão desenvolvem-se correntes psicológicas que compreendem o louco como uma realidade particular, uma construção subjetiva possível, e não mais como uma produção delirante, um erro lógico. Neste caso, o tratamento, tem como foco a reabilitação e não a cura Como consequência deste cenário, existe uma mudança no lugar social da loucura e na proposta de tratamento. O louco passa a não ser mais excluído, enfrentando uma série de situações cotidianas nas quais apresenta dificuldade de se inserir- visto que na cultura capitalista narcísica prega-se a sociedade do espetáculo, tem-se baixa tolerância a frustração, e alta competitividade, sendo continente somente àqueles com sucesso. Em decorrência da Reforma Psiquiátrica e os movimentos anti-psiquiátricos italianos, há uma mudança no direcionamento na abordagem da psicose, que visa à criação de demanda de tratamento a estes pacientes, e sua re-inserção Esta população apresenta comportamentos sexuais de risco, gravidez indesejada, além de dificuldades de relacionamentos íntimos. Apesar desta demanda, são raras políticas interventivas de planejamento familiar e educação sexual. Isso resulta em pacientes que vivem sua sexualidade de um modo solitário, expondo- se a si e ao outro a situações de risco físico e emocional. A falta de estudos sistematizados também produz um desconhecimento por parte dos profissionais da saúde mental, assim como das famílias, sobre a forma de abordar a sexualidade com pacientes que possuem transtornos mentais graves. Esta pesquisa visa ampliar o estudo desta área que exige mais investigação e o desenvolvimento de planos de cuidados apropriados que atendam às necessidades específicas desta população. Sugere-se o Psicodrama e o método de pesquisa-ação-socionômico como recurso de abordagem e tratamento de pacientes graves. 2- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
2.1 – Psicodrama – Projeto Socionômico de J. L. Moreno
Jacob Levy Moreno (1889-1974) nasceu em Bucareste, e muda-se para Viena aos seis anos de idade, onde estuda medicina. Em 1910 começa a trabalhar com grupos e torna-se um dos pioneiros mais importantes da Psicoterapia de Grupo Silva Filho, em seu livro “Psicoterapia de grupo com Pacientes Psicóticos” (Silva Filho, 2000), faz uma construção da psicoterapia de grupo ao longo da
história.
Segundo ele, a psicoterapia de grupo foi iniciada acidentalmente em 1905 por Joseph Hersey Pratt (1872-1956) em Boston, Estados Unidos. Pratt, observando seus pacientes tuberculosos na sala de espera do Massachusetts General Hospital, percebeu que estes estabeleciam relações emocionais entre si e tornavam-se mais animados. Decidiu reuní-los em grupo e começou a ministrar um curso que envolvia regras de higiene, noções médicas sobre cuidados com a doença e discussões das diferentes atitudes frente à mesma. Mais tarde incluiu nestes cursos o relaxamento coletivo e o exercício de imaginação, e ao término da sessão os pacientes relatavam melhoras dos sintomas das doenças. Os grupos eram compostos por 15 a 20 participantes. Alguns outros profissionais continuaram a utilizar os grupos: Edward Lazell (1920), psiquiatra americano com orientação psicanalítica, usou o método de Pratt com pacientes com demência praecox, depressão e mania. Cordy Marsh (1930), considerado precursor das “comunidades terapêuticas”, ministrava aulas, mas ampliou esse recurso na medida em que utilizou auto-falantes para aumentar a comunicação com os pacientes do Hospital, e mesclou psicóticos, pré-psicóticos e psiconeuróticos no mesmo grupo. Abraham Low (1937) organizou um programa de auto-ajuda grupal com trinta pacientes psicóticos (Silva Filho, 2000). Sigmund Freud (1856-1939) ”(.) nunca recomendou ou praticou a psicoterapia de grupo. Em sua obra, a única menção que faz ao tratamento grupal é em relação ao trabalho de Simmel com neuróticos durante a Primeira Guerra Mundial, em que realizava grupos com uma preocupação humanitária e social “(Martins, 1989, apud Trigant Burrow (1875-1950) criou o termo “análise de grupo” e foi o primeiro a utilizar o método da psicanálise no ‘setting grupal’. Depois disso, Louis Wender (1889-1966), que se submeteu a análise com um aluno de Freud, descreve as relações grupais a partir de uma ótica transferencial, que seriam repetições das relações simbióticas da família de origem. Em grupo, os pacientes poderiam ter a compreensão da dinâmica do comportamento e elaborar alguns conflitos familiares não resolvidos- o que facilitou a reorganização da personalidade. Segundo este autor, o recurso grupal estimulava uma melhora da espontaneidade Shielder (1886-1940) foi o pioneiro na utilização da psicanálise com pacientes psicóticos em grupos. Para ele, o paciente em psicoterapia seria estimulado a questionar suas convicções, o que levaria a percepção de que as mesmas não diziam respeito a fatos reais (Silva Filho, 2000). O paciente em grupo apresentaria uma diminuição da sensação de isolamento, na medida em que transferiria seu problema individual para o grupo, podendo por sua vez identificar-se com seus conflitos- o que auxiliaria na resolução dos mesmos. Para o presente estudo torna-se relevante compreender a visão de grupo
moreniana e as contribuições do Psicodrama para o tratamento em grupo de
pacientes psicóticos.
Segundo Marineau (1992), Moreno cunha o Psicodrama a partir de um percurso gradual construído por descobertas e explorações variadas, que envolvem experimentação, reflexão e re-experimentação, o que seria um contraponto à psicanálise, uma vez que nesta a reflexão precede a ação. (Marineau, 1992) Dentre estas explorações, tem-se um trabalho com um grupo de prostitutas em Viena 1913, que permite que Moreno perceba que “um individuo pode vir a ser um agente terapêutico para o outro” (Moreno, 1992; Marineau, 1992 apud Silva, “Moreno considera esse grupo como continuação de suas experiências para a criação da psicoterapia de grupo, com suas observações e estudos em um campo de refugiados de Mittendorf” Em 1935, Jacob Levy Moreno funda o Beacon Hill Sanatorium, nos Estados Unidos, funcionando em regime de comunidade terapêutica. Nesta, estimulava os pacientes psiquiátricos a explorarem seus sintomas e pensamentos através da introdução da perspectiva do como se. Por volta de 1950, inicia a utilização de egos-auxiliares e um diretor a serviço do protagonista. Este sanatório após 1950 passou a ser sede do Centro Mundial do Psicodrama e a receber profissionais da saúde mental para formação psicodramática. Depois de Moreno, outros autores seguiram pesquisando, atuando e ampliando a corrente do Psicodrama. Neste momento, faz-se fundamental uma breve aproximação das contribuições de alguns destes psicodramatistas com o intuito de ampliar e enriquecer a discussão sobre o tema deste presente trabalho. Para Knobel (2004), o recurso grupal possibilita ao paciente uma sensação de semelhança e continência. Segundo a autora, este espaço ”é fundamental para diminuir o sentimento de solidão do paciente psiquiátrico, melhorar sua auto- estima e aumentar sua sensação de força.” (Knobel, p.260, 2004) A respeito da dinâmica grupal e da riqueza dos diversos pontos de vista aos temas a serem abordados por esta, Knobel sustenta: “Essa dinâmica, longe de conduzir a uma síntese unitária dos conteúdos expressos, permite a experiência continente e administrável de um existir simultâneo e, às vezes, contraditório, de diferentes pontos de vista. (.) Esse tipo de abordagem é muito importante, pois permite que cada um se apresente com suas características próprias, impedindo que o grupo se transforme em um aglomerado sem forma. É o que o Moreno chama de momento de diferenciação horizontal (.). Esse mosaico de individualidades discriminadas que constitui o grupo emerge como um espelho em miniatura do mundo (.).” (Knobel, p. 257-258, 2004). A psicoterapia de grupo, uma vez que composta de vários integrantes, pacientes e psicoterapeutas, revela-se um espaço múltiplo de relações. “Paciente e terapeuta, independentemente da linha psicoterápica, co-participam de um encontro humano, em papéis de categorias diferentes. Um está buscando ajuda de algum tipo (.) o terapeuta está a serviço do outro paciente. Isto constitui um vinculo não igualitário formado por papéis não igualitários, o qual demarca, em principio, as características básicas da relação. (p.20)” Fonseca propõe o termo Psicoterapia da Relação, a qual designa um exercício de ação pragmática da observação e da compreensão do fenômeno relacional. Segundo o autor, a partir de uma experiência vivida em relação, que denomina conhecimento do inter, tem-se a possibilidade de compreensão de si mesmo. Para Moreno, o átomo social do psicótico tem suas especificidades uma vez
que se vê inundado por outro átomo social, composto pelas construções delirantes e por papéis delirantes que as compõem. “Freqüentemente o seu eu se vê obrigado a desempenhar vários papéis delirantes, como se surgisse outro eu. Essa mudança brusca nas telerrelações do átomo social consiste em uma experiência tremenda para o paciente e para os elementos ao seu redor (do átomo social, em geral familiar). Nessa perspectiva de valor do átomo social, da família, da comunicação interpessoal, Moreno propõe a psicoterapia familiar, o diagnóstico sociométrico das inter-relações grupais. Amplia o enfoque da psicoterapia individual para o casal, para o grupo, para a família e para a sociedade” (Fonseca, p.267, 2000). Na matriz de identidade serão experienciados os primeiros padrões relacionais.
Encontramos na literatura algumas contribuições que sustentam a interação mãe- bebê como a primeira relação que o indivíduo estabelece no mundo e que irá Na teoria de desenvolvimento moreniana, quando o bebê nasce forma-se um espaço virtual entre ele e a mãe denominado matriz de identidade. Neste o bebê começa, com a ajuda da mãe, a experimentar as primeiras formas de relacionamentos no mundo. Ela será seu eu auxiliar nesta pesquisa no mundo, seu ego-axiliar. O bebê ainda não discrimina suas necessidades biológicas como fome e sede, e a mãe através de cuidados como a amamentação vai se tornando Menegazzo C, Zuretti, e Tomasini (1992) sustentam: “Neste universo o vínculo mãe e filho funciona como um todo inseparável. Ambos formam o núcleo fundamental da matriz de identidade e se fundem em uma só unidade (.)“ (Menegazzo C, Segundo Fonseca (2000), a concepção de homem moreniana envolve o biológico, o psicológico, o social e o ser cósmico. A matriz de identidade estaria dividida em fases: o bebê iniciaria em um estágio de indiferenciação existencial total, necessitando da mãe para sobreviver, funcionando como seu duplo, passando por uma fase do espelho em que se reconhece e se identifica como pessoa, para depois passar para a fase onde reconhece o outro, através da experimentação da Com o desenvolvimento da matriz de identidade é esperado que a criança aos poucos se separe da mãe, e que existam outros egos-auxiliares que passem a ocupar o lugar de mediação da criança com o mundo externo. Este processo, quando bem desenrolado, culminaria na diferenciação e formação da identidade. Fonseca (2000) salienta que além da diferenciação e formação da identidade, o indivíduo que completa adequadamente as fases da matriz de identidade “(.) adquire condições para a relação dialógica, para o encontro. O encontro seria o resgate dos liames cósmicos originais” (Fonseca, p. 270, 2000). Para o autor, o conceito saúde- doença envolveria uma diferença de sentido do caminho cósmico, em direção ao encontro, ou a regressão a origem. Podemos inferir que pacientes com psicodinâmica psicótica teriam o processo de diferenciação comprometido, por conta de estarem fixados a uma fase do desenvolvimento infantil. Não constituiriam uma identidade própria e estariam presos a este estado fusional (simbiótico) com a mãe, do qual não conseguiram se “Os psicóticos estariam regredidos e/ou fixados em fases anteriores do desenvolvimento. Enquanto vai-se desenvolvendo, a criança internaliza as características de suas primeiras relações e das situações da vida, inclusive as captações inconscientes. A verdade subjetiva gravada seria mais importante que a verdade objetiva. Para cada pessoa, determinadas fases da matriz de identidade estariam mais marcadas que outras. (.) conforme a vivência terá em cada fase de nosso esquema um tipo de moldagem, de inscrição e de registro. Assim, teremos a moldagem psicológica de diferentes tipos de pessoas como resultantes das cargas de vivências positivas (Não transferenciais ou télicas), e vivências negativas (transferenciais).” (Massaro, p. 99, 1990) “O psicótico, impotente de maneira ampla para o encontro, para o eu-tu, estaria refugiado e isolado em seu eu. No desespero de sua solidão, fabrica um tu delirante para acompanhá-lo. A doença mental, neste enfoque, é a patologia do encontro, uma patologia entre eu e tu, uma patologia da comunicação, uma patologia relacional” (Fonseca, p.270, 2000). Segundo Moreno, quanto mais comprometido o paciente psicótico, mais apresenta a necessidade de ego-auxiliares para a construção de um ‘mundo auxiliar’. Neste enfoque, propõe que se crie um ‘mundo auxiliar’ onde o universo psicótico seja compartilhado com o paciente. A intenção é que se possa mapear a rede relacional, para poder auxiliar a decodificação de seu quadro delirante. Os egos- auxiliares aos poucos vão desempenhando outros papéis, até o momento em que o paciente identifique as pessoas reais de seu átomo. Esta experimentação de papeis já traz em si uma força terapêutica, e a ação desenvolve a espontaneidade Para Moreno, outro recurso que os egos-auxiliares podem lançar mão para o tratamento das psicoses é a oferta de percepções intuitivamente lançadas aos pacientes, através de duplos verbais, ou do oferecimento dramático, que Moreno denominou como ‘realização psicodramática’- ambos baseados no fator tele dos Por último, mas não menos importante, o mesmo não enfatizava as classificações diagnósticas psiquiátricas, sua maior preocupação envolvia o agir e o expressar Para Bruere-Dawson, o espaço grupal oferecido a pacientes psicóticos permite que estes experienciem o limite entre o real, o imaginário e o simbólico, possibilitando a rematrização (Bruere-Dawson apud Silva Filho, 2000). Em outras palavras, a partir da relação estabelecida com o paciente, proporcionar uma ampliação das redes sociométricas e da estimulação a espontaneidade e criatividade, uma vez que situações e relações novas são expostas- às quais são estimulados a responder de modo criativo e não cristalizado. 2.2 – CONTRIBUIÇÕES NA ABORDAGEM DA SEXUALIDADE COM
PACIENTES GRAVES

Existe uma escassez literária no que concerne a sexualidade de pacientes
psicóticos, apenas cerca de 500 artigos publicados na comunidade científica em todo o mundo. A maioria encontra-se no Reino Unido, e os profissionais que mais publicaram contribuições para este tema são da área da enfermagem. Supõe-se que isto se deve por serem aqueles que lidam mais diretamente com os pacientes psicóticos em grandes hospitais ou em hospitais psiquiátricos, apresentando uma proximidade menos ameaçadora ao paciente, para que este possa conversar sobre esta temática que se revela constrangedora para muitos, tantos profissionais como pacientes (Tfauni Vieira, 2007). Historicamente, a noção de que pessoas com transtornos mentais severos pudessem casar entre si foi desaprovada desde Freud (Freud 1917 apud McCann2003). As necessidades íntimas, sexuais e interpessoais destes indivíduos só emergiram recentemente, como uma preocupação legítima dos cuidadores (Lewis & Scott 1997 apud McCann 2003), por conta dos altos índices de gravidez e doenças sexuais transmissíveis (Adler 1997 apud McCann2003). Até então, parecia haver uma marginalização da sexualidade destes indivíduos. Rowlands (1995 apud McCann 2003) convoca profissionais da saúde a publicarem sua prática neste campo tão pobre de produções teóricas. Este acredita que o preconceito envolvido na questão da sexualidade com pacientes psicóticos é provável fruto de falta de conhecimento. Alguns autores sustentam a importância de um trabalho familiar para compor o tratamento e abordagem da sexualidade de pacientes com transtornos mentais severos. Isto pode ser feito tanto com o sentido de orientar e implicar a família na diminuição do comportamento sexual de risco e controle de gravidez indesejada, como recurso para trabalhar relacionamentos íntimos - afetivos com a família destes pacientes aos quais, poucas vezes a sexualidade é atribuída (Tfauni Vieira, A família pode ser vista como um importante fator de prognóstico para a psicose (DE Jesus Mari & Streiner 1994; Pharaoh et al. 2001 apud McCann 2003). O trabalho com famílias psicóticas ajuda a perceber comportamentos repetitivos e a resolver problemas através de uma prática psicoeducacional, melhorando a comunicação e expandindo as redes sociais (Leff 1997 apud McCann 2003). Temáticas sexuais e de relacionamentos, em geral, não são abarcadas em sessões de família. McCann (2003) aponta para a necessidade de haver uma ação que integre temas de relacionamento afetivo-sexuais em sessões de família. Contrapondo-se ao imaginário cultural, pacientes com transtornos mentais graves apresentam condições de compreender a sua sexualidade se auxiliados por profissionais da saúde que estimulem a comunicação e oriente na prevenção de Um recurso possível no encaminhamento da temática sexual com estes pacientes é uma parceria com a família, com o sentido de criar redes de suporte para o auxílio da divulgação e sustentação da prevenção, além de possibilitar um lugar onde possam compartilhar da sua sexualidade. Desmistificar a temática da sexualidade, esclarecer possíveis dúvidas acerca dos efeitos colaterais das medicações psiquiátricas, intervir socioeducativamente, Parece que embora não se proíba relacionamentos íntimos – sexuais a temática ainda reserva algumas aflições da equipe de saúde como as interferências no curso do quadro clínico (Tfauni Vieira, 2007). Enquanto profissionais da saúde não reconhecerem que pessoas que sofrem de esquizofrenia têm necessidades sexuais e de relacionamento, existirá um equívoco no encaminhamento adequado do tema da sexualidade humana, particularmente na área de reabilitação psicossocial. Pacientes com transtornos mentais graves estão expostos a comportamentos sexuais de risco como transmissão e infecção por HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis, gravidez indesejadas, com implicações futuras para criança que será submetida a um ambiente comprometedor ao seu desenvolvimento. Infere-se que, parte desta exposição, é reflexa de um desconhecimento desta população sobre vários aspectos de sua sexualidade e métodos contraceptivos. Discute-se se isto devido a uma possível dificuldade de profissionais da saúde mental na abordagem da sexualidade de seus pacientes com transtornos mentais graves. Aponta-se que novas pesquisas nesta área possam contribuir com a disseminação de conhecimento cientifico, esclarecendo e informando-os sobre o tema. Enfatiza-se a criação de políticas interventivas de educação sexual como um recurso necessário e imprescindível para alcançar este 3- FUNDAMENTAÇÃO METODOLÓGICA
Procedimento da Pesquisa
3.1 - Descrição dos sujeitos:
Sandra (nome fictício), mulher, 31 anos, solteira, segundo grau completo e técnica em publicidade, classe social médio-alta, religião judaica. Hipótese Diagnostica 3.2 - Contexto:
Grupo de Psicoterapia com pacientes graves, em sua maioria com psicodinâmica psicótica, acompanhados em regime de Hospital Dia em São Paulo. Trata-se de uma Instituição com 27 anos de existência, sendo o primeiro Hospital Dia fundado no Brasil. Tem a psicanálise como referencial teórico e embasamento para o trabalho clínico, os dispositivos grupais como escolha de tratamento e o trabalho em equipe interdisciplinar. Estas especificidades fazem desta instituição, desde o início, além de um lugar de tratamento, um lugar de formação de terapeutas de diversas especialidades no tratamento das psicoses, recebendo estagiários de graduação e para formação em Terapia Ocupacional, Psicologia, e Psiquiatria. Os pacientes quando chegam ao Hospital Dia estão em crise, vivendo relações empobrecidas e patológicas que incrementam a sua loucura. Uma parte importante do tratamento é a terapia familiar para que esta, junto com o paciente, possa re-significar sua história e deste modo ser tratada, se comprometendo com o tratamento, visto que neste dispositivo, de Hospital Dia, os pacientes retornam para seu entorno social-familiar diariamente. Para poder desenvolver um trabalho próximo a cada paciente e sua família, a Instituição é dividida em quatro equipes de referência, que oferece psicoterapia de Este trabalho é baseado em um trecho de uma sessão de um grupo de Esta mini-equipe é composta por três terapeutas com formação em psicanálise, e um deles, a autora, com formação em Psicodrama, e dois estagiários de 3.3 - Temporalidade:
Descrição de sessões de Psicoterapia ocorridas em outubro de 2007. Breve descrição processo clínico ocorridos entre março 2005 a janeiro 2008. 3.4- Modalidade do Atendimento:
Psicoterapia em grupo processual com pacientes graves, em sua maioria com psicodinâmica psicótica, ocorridas em Hospital Dia. O grupo é semi-aberto composto por aproximadamente 18 pacientes, homens e mulheres. A faixa etária do grupo varia de 20 a 65 anos. Este grupo ocorre duas vezes por semana, com duração de uma hora e trinta minutos. A equipe de terapeutas é composta por seis pessoas, quatro psicanalistas, um em formação em Psicodrama e dois estagiários. O processo psicoterápico relatado neste trabalho ocorreu entre março de 2005 e janeiro de 2008. Trechos de sessões escolhidas, ocorridas em outubro de 2007. 3.5- Natureza da Investigação:
Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada a partir de uma sessão de Psicoterapia Grupo com pacientes graves em um Hospital Dia, situado na cidade A olhar da intervenção clínica adotada se dá a partir da metodologia psicodrámatica, levando em conta a especificidade da população, acrescido à especificidade da temática sexualidade. Trabalhamos com os princípios das técnicas (por exemplo, princípio do duplo, princípio de espelho), e não com a dramatização propriamente dita, na sessão escolhida para este trabalho, nossa escolha se deve ao fato de procurarmos enfocar a sexualidade do paciente psicótico, conforme dito anteriormente trata-se de uma Instituição transdisciplinar com predominância da orientação psicanalítica. 3.6- Métodos:
A metodologia que embasa este olhar é de pesquisa-ação-socionômica, com distanciamento reflexivo e aproximação fenomenológica. 3.7-Técnicas utilizadas:
Princípio do duplo – Terapeutas em sintonia télica com os pacientes na função
de se colocar no mesmo lugar que o paciente, emprestando sua parte saudável, funcionando como ego-auxiliar da cena imaginada, a qual o paciente relata. Principio do espelho – Utilizando sua relação com os demais integrantes do
grupo mostrando ao paciente como ele vive a realidade, permitindo ao mesmo
experimentar uma sensação de pertencimento em grupo, continência ímpar para o 3.8- A Prática Psicodramática:
Protagonista é a pessoa que tem seus conteúdos/dificuldades explorados pela
dramatização. Quando em terapia de grupo, é aquele que emerge da dinâmica co- inconsciente do grupo e é escolhido pelo próprio grupo. Pode ser um protagonista individual (a partir de seus conteúdos pessoais) ou grupal (temática trabalhada é Diretor é o terapeuta que dirige o grupo e a dramatização.
Egos auxiliares são os assistentes terapêuticos, constituídos pelos profissionais
da equipe multidisciplinar e os integrantes, colegas de grupo que tem a função de representar as figuras de mundo interno do protagonista (pessoas, delírios, Platéia são os integrantes do grupo, que estão presentes, mas não participaram
Palco é o local, espaço que desenrola a dramatização.
3.9-Contextos:
Social- de onde vêm os integrantes do grupo
Grupal- constituído pelo próprio grupo
Dramático- onde ocorre a dramatização
3.10-Etapas:
Aquecimento- etapa na qual o terapeuta promove a interação do grupo e
investiga o tema do dia, criando uma continência afetiva e um clima de confiança para surgir o protagonista. Tem duas fases: inespecífico (primeiro momento
onde procura desvelar a demanda grupal do dia) e específico (contextualizando a
cena eleita pelo protagonista).
Dramatização é a representação de cenas eleitas pelo protagonista e/ou grupo.
Compartilhar momento que os integrantes do grupo são estimulados, pelo diretor,
a trazerem seus sentimentos e percepções oriundos de suas vivências no decorrer Processamento momento de discussões didáticas, feed back, devolutivas por
parte do(s) terapeuta(s), que promovem oportunidades de compreensões do vivido propiciando experiências de aprendizado. 4- APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DA SESSÃO - RELATO DE UM CASO
Sandra, mulher, 31 anos, solteira, segundo grau completo e técnica em vendas. Comparece ao Hospital Dia, em março 2005 após período de internação fechada em instituição psiquiátrica. Estava com predominância de sintomas psicóticos de cunho persecutório sexual, comportamentos auto e hetero-agressivos, dificuldades de higiene pessoal e descontrole psicomotor. Sendo medicada com - 20mg haldol, 200mg neozine, 600mg trileptal, 1500mg depakote, 4mg biperideno (dia), com hipótese diagnótica CID X – F.20 (Esquizofrenia). Na época além de apresentar delírios, demonstrava dificuldades em estabelecer contato com a equipe do Hospital Dia. Elegeu um terapeuta homem de sua equipe de referência, fazendo uma proposta de relação simbiótica, estabelecendo um vinculo com conteúdos transferências amoroso-eróticos. 4.1- Átomo social - Constituição familiar
Família judia, classe média alta, dois filhos, sendo Sandra a mais velha. Percebe- se uma dinâmica familiar esquizofrenizante. Nesta, nota-se claramente a mistura afetivo-emocional dos pais com os filhos, principalmente com Sandra. Esta dificuldade apresentada pelos pais em suas relações afetivas se revela através de uma comunicação patológica de duplo-vínculos; na dificuldade de colocar limites na paciente, definindo o que é melhor para ela, o que deve ou não fazer, o que estudar quem namorar, de quem ser amiga, que roupa usar, mantendo-a num papel infantil e simbiótico. No contra-papel Sandra para obter o que quer, exacerba seu comportamento agressivo, autoritário, obtendo assim um poder sobre a família. Vinculava-se constantemente de uma forma agressiva verbal e físicamente destrutiva, principalmente com a mãe. Este duplo vínculo era retro- alimentado com agressões contínuas de ambas as partes. Com o pai e o irmão estabelecia relações simbióticas de cunho transferencial erótico-sexual. Com o irmão além desta proposta relacional, o nomeava como seu terapeuta, delegando o papel de ouvinte de seus conteúdos e mantenedor de um saber - a verdade sobre sua vida e sua “doença”. Mostrava dificuldade de aceitar o vínculo marital – pai, mãe - se tornando onipresente e onipotente neste vinculo, sempre agredindo a mãe. Sandra não tinha amigos próprios, sempre àqueles escolhidos pela família, ou Pai e mãe de religião judaica, com prática não ortodoxa. Nota-se que Sandra tem uma relação mais forte com a religião do que seus pais relatam ter. Durante muito tempo sustentou poder se casar somente com alguém da mesma religião. Nos seus primeiros anos de Hospital-Dia relatava desejar mudar para uma cidade em Israel onde as mulheres são preparadas para casar e arrumar matrimônio. 4.2- Projeto Terapêutico e Processo Psicoterápico
Sandra foi acompanhada no Hospital Dia em grupos de Terapia Ocupacional, Psicoterapia em Grupo, Grupos abertos, Oficinas de Trabalho e Terapia Familiar. Na terapia familiar foi trabalhado no lócus nascenti do átomo familiar os comportamentos familiares que produzem a loucura de Sandra. Tentando nomear e atribuir sentido; além de auxiliar a família a responder de outra forma às demandas de Sandra. Promovendo uma tentativa de desconstrução do comportamento cristalizado, quebra de conserva e resposta espontânea e criativa. As mudanças de comportamento familiar abriram possibilidade de que a paciente pudesse responder de forma também distinta, transformando a dinâmica funcional Hoje, após três anos de tratamento, Sandra trabalha como consultora de uma empresa de cosméticos vendendo seus produtos para pacientes e terapeutas do Hospital Dia. Está mais arrumada, mais feminina e com uma maior preocupação com seus cuidados pessoais, escolhe suas roupas, vai ao cabeleireiro, faz suas compras, e às vezes vai ao supermercado e compra a comida favorita do pai e da mãe com seu próprio dinheiro. Este trabalho trouxe uma leve independência financeira, que permite que ela subsidie suas compras. A escolha de seu corte de cabelo sem ter que dar satisfação a seus pais, somados a esta pequena independência afetiva e econômica, tem permitido experimentar uma sensação de identidade corporal, base para reconhecimento do Eu. Estas vivências subjetivas têm permitido que desenvolva sua auto-estima. Relata ultimamente que se sente mais inserida socialmente e menos estigmatizada. O processo psicoterápico de Sandra tem permitido discriminar o que são suas expectativas e o que são expectativas da família. Ex. sempre existiu um sonho familiar que ela cursasse uma faculdade, este era trazido em psicoterapia de grupo pela paciente como se fosse seu próprio sonho. Ela não conseguia corresponder e gerando decepções. Pois era impossível obter sucesso em função de seu comprometimento emocional. Tampouco reconhecia que este sonho era um desejo de seus pais. Durante o processo terapêutico foi se apercebendo que não consegue cursar uma faculdade. Atualmente vende produtos na Instituição, eventualmente, junto com outra paciente do HD, dá aulas de dança do ventre para pacientes e está matriculada em um curso de inglês. Diz estar apaixonada por um dos pacientes do HD, sonha em ter uma relação amorosa com alguém e que este Apesar deste rudimentar desenvolvimento e início do processo de discriminação a família ainda exerce muita influência sobre ela e suas vontades. Nas sessões de psicoterapia freqüentemente traz as dificuldades cotidianas de suas relações familiares. Estas emergem principalmente quando os pais retomam o clima disfuncional, através da comunicação de seus desejos e expectativas, e invasão de sua intimidade. Como por exemplo: o desejo do pai que curse faculdade, que trabalhe na loja do irmão, como esteticista e para isto faça dois Nestes momentos, percebemos que Sandra complementa seus pais com um papel mais delirante, (como se já fosse esteticista, portanto quanto deve cobrar por este serviço, que produtos comprar,.) apresentando-se muito eufórica. Vem experimentando, no Hospital Dia, a vivência de relações nas quais exercita aos poucos seus limites e também coloca algum limite no desejo dos pais. Atualmente conseguiu deixá-los viajar juntos e ficar em casa sozinha por um breve 4.3- Contexto anterior à primeira crise psicótica
Cena que ocorre aproximadamente no fim de 2004:
“Na cama com meu namorado, estava de quatro e ele falou que não ia transar comigo porque eu era virgem e não entendia nada de sexo.“ “De repente fiquei toda molhada, não sei se fiz xixi nas calças”. (Entendemos que a paciente teve uma lubrificação vaginal). No final de 2007, a paciente consegue contar no grupo de psicoterapia, com mais clareza e distanciamento, o contexto de sua primeira crise psicótica. O então namorado de Sandra tinha uma mãe que era viúva. A avó de Sandra temia que esta pudesse seduzir o pai da paciente roubando-o de sua mãe. A mãe a proíbe de sair com o namorado, Sandra conta para a mãe o episódio no motel, a mãe a acha promíscua por ter ido para cama com ele, Sandra começa a construir um delírio no qual tem relações sexuais com seu pai. 4.4-Sessão de Psicoterapia - Outubro 2007
Sandra: “Eu queria falar uma coisa (.), mas não tenho coragem!!”! [risadas nervosas]. (Na abordagem com esta população é importante não deixar o
clima ficar muito tenso, porque a defesa delirante é a maneira que os
psicóticos, em geral, lançam mão para lidar com realidade adversa).
Terapeuta 1: “Sua mãe ligou para cá falando que você acordou muito assustada no meio da noite, estava sangrando.” (Sandra manchou a cama com sangue -
trazendo dados dos conteúdos adquiridos através do telefonema com a mãe
– princípio do duplo).
Sandra: “Ah, tenho vergonha de falar.” [risadas nervosas]. Terapeuta 2: “Você sonhou com alguém Sandra…” (Terapeuta emprestando seu
lado saudável – télico, na tentativa de enxertar algum sentido na construção
de algum entendimento que possa minimizar a tensão psicótica).
Terapeuta1: “Você acordou assustada.” Sandra: “Eu acordei sangrando (.), mas não estava menstruada. Eu tava sonhando [risadas nervosas] Eu tenho vergonha de falar.” (Neste momento
mostra uma divisão interna, mas temerosa de adentrar e levar um corte no
contato relacional, a paciente não consegue continuar no tema).
Terapeuta 2: “Será que você não se tocou durante a noite, enquanto estava sonhando e não se lembra. Será que não se machucou.” (Princípio do duplo)
Terapeuta 2: “Você sabe o que é ficar excitada?” Terapeuta 2: “Pense alto” (solilóquio)
Sandra: “Ai eu não sei. Acho que sei.” Terapeuta 2: “Você sabe o que é se masturbar, se tocar?” Terapeuta 1: “T2, explica para ela, o que é se masturbar?” Terapeuta 2: “Passou a bomba pra mim, hein! Viu! Sandra não é só você que tem dificuldade de falar sobre sexualidade, mesmo aqui entre nós terapeutas este assunto é batata quente (.) passaram a bomba para mim.” (Neste momento,
terapeutas
extensão
psicodramático,
apresentando dificuldades semelhantes à da paciente, na abordagem da
temática sexualidade. Propõem modelos funcionais e espelhos de partes
limitadas internas, rejeitadas por Sandra, e por eles mesmos).
Terapeuta 2: “Se masturbar é explorar seu corpo, tocar seu corpo tentando obter prazer. Com sua mão ou com um objeto., em frente a um espelho. Você já se olhou no espelho?” (No trabalho com psicótico muitas vezes temos uma ação
pedagógica: a de ensinar e/ou emprestar experiências que, em outro
contexto, não obteriam).
Sandra: “Ah! Eu me olho muito no espelho. Mas se eu quero ficar sozinha minha mãe e meu pai não deixam, eles ficam entrando no meu quarto.” Terapeuta 3: “Não é pra passar o dia inteiro no quarto, a curiosidade sobre o seu corpo é natural. é saudável.” Terapeuta 2: “Pense alto” (solilóquio)
Terapeuta 2: “Você não disse que queria namorar. casar. Para namorar e ter relação sexual, primeiro você precisa conhecer o seu corpo e tocando o seu corpo poderá descobrir quais lugares do seu corpo você tem prazer, para depois quando tiver relação sexual com outra pessoa ser prazeroso”. (ação pedagógica).
Sandra: “Mas porque eu sangrei? Quando acordei meu lençol estava manchado de sangue (.), fiquei assustada e acordei minha mãe! “ Terapeuta 2: “Acho que você sonhou com alguém e se tocou e rompeu algum vasinho da vagina, por isso sangrou”. (princípio do duplo)
Sandra: “Quando meu irmão morava em casa e eu acordava assustada eu ia fazer terapia com ele, ele falava que eu tinha esquizofrenia. .Ah,. Tem uma coisa, (.) Às vezes ele pisca os olhos e parece meio estranho, eu me sinto mal.” Terapeuta 2: “Se sente mal como?” Sandra: “Ah sei lá. Tenho vergonha de falar.” Terapeuta 2: “Bom, vamos ver o que fazem as pessoas piscarem o olho.”. [Pergunto aos integrantes do grupo o que faz as pessoas piscarem os olhos - equipe multidisciplinar e demais pacientes do grupo]. “(.) Você acha que ele está te paquerando?” (Terapeuta, como ego auxiliar, distencionando o clima, traz
outras possibilidades de leituras, possibilidades de espelho, de outras
respostas possíveis desconstruindo assim uma resposta cristalizada de
temor e desejo).
Sandra: “Acho que sim. e eu não gosto. me sinto mal.” Terapeuta 2: “Então porque você não fala isso para ele.” Na sessão seguinte a paciente inicia contando que falou com o seu irmão e que Terapeuta 2: “Como você ficou?” Sandra: “Mais tranqüila e menos perseguida.” 5- DISCUSSÃO
Percebemos que o sintoma que Sandra apresenta foi formado a partir das relações disfuncionais vividas na matriz de identidade e no seu pobre átomo social. Uma vez que é submetida a tratamento em psicoterapia de grupo e psicoterapia de família tem-se uma intervenção em dois níveis distintos, que atingem objetivos terapêuticos que se tangem, a reabilitação psicossocial de Em psicoterapia de grupo, Sandra pode viver com os terapeutas e seus colegas relações de uma ordem distinta daquelas que produziram seu sintoma, sendo assim convidada a responder de uma forma diferente (se possível criativa e não cristalizada) às situações de seu cotidiano. Este movimento propicia a quebra da conserva e de descristalização, mas poderá tornar-se iatrogênico se a família de origem ou átomo social familiar não for trabalhada concomitantemente. Como se pode perceber na descrição do caso de Sandra, a família sempre atua de modo com que ela responda do mesmo modo, ou seja, mantém o Status quo. Podemos observar tal fenômeno, quando, por exemplo, Sandra apresenta-se um pouco mais confusa, ao deparar-se com o desejo do pai que curse uma faculdade- algo que foi concluído durante o processo de psicoterapia de grupo. Como constatamos no referencial teórico, na matriz de identidade são experienciados os primeiros padrões relacionais que irão cunhar todas as próximas relações que o indivíduo estabelecerá no mundo. Massaro (1996), em seu livro “Esboço para uma teoria de cena”, sugere o emprego do termo subjetividade, emprestado de Deleuze e Guattari, segundo o qual, instâncias individuais e/ou coletiva emergem como território existencial. “Tal conceituação tende a ultrapassar a oposição clássica entre sujeito individual e sociedade. Em certos contextos sociais a subjetividade se faz coletiva, o que remete a multiplicidades que se desenvolvem além do indivíduo” (Massaro, p.29, 1996). Sugere-se o emprego do termo matriz de subjetividade de forma a considerar os múltiplos fatores constituintes da identidade: família, pequenos e grandes grupos, gênero, religião, cultura, raça, nacionalidades. O que converge com a teoria e visão de homem psicodramática, bio-psico-social. Parte-se do pressuposto que com o desenvolvimento da matriz de identidade, ou subjetividade, a criança aos poucos se separe da mãe, e que existam outros egos- auxiliares que passem a ocupar o lugar de mediação da criança com o mundo externo. Este processo quando bem desenvolvido culminaria na diferenciação e formação da subjetividade. Sandra quando chega delirante ao Hospital Dia revela- se com a formação de identidade prejudicada à medida que mostra uma pobre rede relacional de contato, um átomo social escasso e disfuncional, e uma visão muito particular da realidade: delirante. “O psicótico, impotente de maneira ampla para o encontro, para o eu-tu, estaria refugiado e isolado em seu eu. No desespero de sua solidão, fabrica um tu delirante para acompanhá-lo. A doença mental, neste enfoque, é a patologia do encontro, uma patologia entre eu e tu, uma patologia da comunicação, uma patologia relacional” (Fonseca, p.270, 2000). Questiona-se se Sandra não teve egos-auxiliares adequados, ou suficientemente bons, que pudessem ajudá-la de modo minimamente satisfatório no desenvolvimento de sua subjetividade, constituindo-se como um tu independente do outro, um tu com desejos separados dos desejos de sua família. Como vimos no capítulo descrição da sessão, a família de Sandra revela-se disfuncional, apresentando uma mistura afetiva- emocional entre pais e filhos, o que é intensificado na paciente. Isto se dá a partir de uma comunicação patológica de duplo-vínculos, na dificuldade dos pais de colocarem limites em Sandra, definindo o que é melhor para ela, o que a mesma deve ou não fazer, o que estudar, quem namorar, de quem ser amiga, que roupa usar, mantendo-a num papel infantil e simbiótico. No contra-papel, Sandra para obter o que quer, exacerba seu comportamento agressivo, autoritário, obtendo assim um poder Percebe-se que a paciente tem sua primeira crise psicótica quando se aproxima de sua primeira experiência sexual. Ao expor-se a uma cena desconhecida não tem recursos saudáveis, papéis desenvolvidos, para administrar a sua sexualidade e responder de modo espontâneo e criativo a esta situação. Tem um grande desconhecimento físico-anatômico, feminino e masculino, um desconhecimento do ato sexual em si, acrescido de um despreparo emocional para um relacionamento afetivo. Não conseguindo responder a esta situação, rompe com a realidade, criando um “Tu” delirante, uma ideação, na qual se imagina transando com seu pai. Como vimos, Moreno sustenta que o psicótico é obrigado a desempenhar vários papéis delirantes, como se surgisse um outro “Eu”. “Essa mudança brusca nas telerrelações do átomo social consiste em uma experiência tremenda para o paciente e para os elementos ao seu redor (do átomo social, em geral familiares). Nessa perspectiva de valor do átomo social, da família, da comunicação interpessoal, Moreno propõe a psicoterapia familiar, o diagnóstico sociométrico das interrelações grupais.(Fonseca, 2000) Na dinâmica familiar, percebe-se uma indiscriminação da sexualidade e dos papéis familiares. Sandra tem uma relação muito próxima aos homens da casa, compete com a mãe pela atenção do pai e do irmão. Estes papéis eram complementados: pois muitas vezes dormia na cama com os pais e o seu irmão era seu confidente nas madrugadas, “àquele com o qual se aconselhava e contava seus pesadelos quando acordava a noite”. Segundo Sandra, “Ele era seu terapeuta e a diagnosticava esquizofrênica!” No decorrer do seu processo, em psicoterapia de grupo, ao longo de três anos em tratamento no Hospital Dia, a paciente vai se dando conta do seu medo, psicótico, de que o irmão e pai tenham um desejo sexual por ela. Esta mistura afetivo- emocional se demonstrava também através das expectativas dos pais para com a Sandra. O pai, por exemplo, a estimulava cursar uma universidade, não levando em consideração o seu desejo e sua possibilidade psíquica para a realização deste projeto. Ou mesmo através das muitas dificuldades da família em por limites na paciente, e ela, por sua vez, num contra papel, não deixava seus pais terem uma relação de casal independente, da qual não participasse. Em um duplo vínculo, com sentimentos ambivalentes - ora se misturando ora desejando separar-se - tudo isso que era conquistado vinha com agressividade verbal e Quando Sandra chegou ao Hospital Dia, procurando tratamento, ela e sua família encontram-se completamente desorganizados, sendo comuns comportamentos agressivos verbais e físicos, principalmente entre Sandra e a mãe. Os terapeutas de referência foram testemunhas destas cenas na medida em que estas aconteciam, no ‘como é’ e nas reuniões de família. Neste momento, intervinham no aqui e agora nomeando, construindo um questionamento, auxiliando a família a sustentar os limites sem ter que lançar mão da agressividade física, muitas vezes fazendo intervenções terapêuticas de cunho pedagógicas. Outras vezes intervindo para que Sandra suportasse a não realização de seu querer imediato. Este trabalho era substancialmente complementado com a psicoterapia de grupo, na qual a partir da relação com os demais pacientes e terapeutas pudesse experienciar múltiplos olhares para as cenas de sua vida, além de uma ampliação das relações de seu átomo social; sua rede social, da possibilidade de desconstruções e construções de novas condutas. Quando Sandra está em grupo, vê-se em contato com relações diferentes das experienciadas até então. Como vimos, Knobel (2004) sustenta que recurso grupal possibilita ao paciente uma sensação de semelhança e continência. Segundo a ”é fundamental para diminuir o sentimento de solidão do paciente psiquiátrico, melhorar sua auto-estima e aumentar sua sensação Através da relação com pacientes e terapeutas, Sandra pode lançar mão de outros egos-auxiliares na ampliação de seu átomo social e na construção e multiplicação das possibilidades de olhar e perceber a realidade. Podendo desenvolver e compor seu cacho de papéis. Isto, ao longo da psicoterapia, pode ser estimulado pelos terapeutas através da técnica do duplo, ou do princípio de duplo verbais. Por exemplo, quando a paciente chega assustada ao Hospital Dia por ter sangrado durante a noite. Um dos terapeutas da equipe multidisciplinar utiliza do princípio do duplo: Terapeuta 2: “Acho que você sonhou com alguém e se tocou e rompeu algum vasinho da vagina, por isso sangrou”. Como vimos, para Moreno, os egos-auxiliares podem ofertar aos pacientes percepções intuitivamente lançadas, através de duplos verbais, ou através do oferecimento dramático, do que denominou ‘realização psicodramática’. Para tanto o fator tele dos egos-auxiliares deve ser considerado. Além disso, como Knobel sustentou, em grupo podem ter uma experiência de pertencimento, e neste sentido, de auto-estima. A possibilidade de Sandra trabalhar com consultora de cosméticos e vender seus produtos no Hospital Dia, como também de ministrar aulas de dança do ventre quinzenais para os demais pacientes, fez com que a mesma pudesse ter alguma autonomia financeira e emocional dos pais. Como vimos, na descrição do caso: Está mais arrumada, mais feminina e com uma maior preocupação com seus cuidados pessoais, escolhe suas roupas, vai ao cabeleireiro, faz suas compras, e às vezes vai ao supermercado e compra a comida favorita do pai, da mãe com seu próprio dinheiro, escolhe de seu corte de cabelo sem ter que dar satisfação a seus pais. Tudo isso tem permitido Sandra experimentar uma sensação de identidade corporal, base para reconhecimento do Eu. Estas vivências subjetivas têm permitido que registre sentimentos mais positivos. Relata ultimamente que se sente mais inserida socialmente e menos estigmatizada. Por ser uma Instituição com profissionais de entendimentos teórico-clínicos distintos, esta sessão, especialmente, não teve uma dramatização, mas utilizo recursos teóricos psicodramáticos como compreensão e proposta de intervenção, que pode ser visto nas intervenções do terapeuta 2, ao longo da descrição da A postura e visão do Terapeuta 2 (a autora) são embasadas na metodologia socionômica, que tem como base a relação dialógica. Estas são demarcadas pelos momentos ‘Eu-Tu’, no qual através da intuição télica o terapeuta vive o caos relacional do psicótico, porém mantém certa separação pelos momentos ‘Eu-Isso’, nos quais tem um distanciamento reflexivo. Ambos os movimentos são necessários para tratar a psicose: a aproximação afetiva é indispensável para atingir o ‘Tu’ impermeável do psicótico, assim como o distanciamento reflexivo para que o terapeuta não se perca no caos da psicose. Tudo isso é feito na experiência de co-construção do aqui e agora psicodramático. 6 - CONSIDERAÇÕES FINAIS
Percebeu-se que a psicose pode ser entendida como um comprometimento do desenvolvimento na matriz da subjetividade, no qual o sujeito vê-se aprisionado a um padrão relacional que faz com que não constitua um ‘Tu’ independente do outro, por vezes tendo que criar um ‘Tu’ delirante para acompanhá-lo na solidão Aponta-se que a família dos pacientes com psicodinâmica psicótica apresenta um funcionamento que retroalimenta a psicose, mostra-se fundamental o trabalho psicoterápico familiar para o sucesso terapêutico do tratamento paciente psicótico. Na psicoterapia familiar, no lócus nascenti do átomo familiar, sugere-se que os terapeutas atribuam sentido aos padrões relacionais, auxiliando a família a responder de forma distinta às demandas do paciente psicótico. Promove-se assim, uma desconstrução do comportamento cristalizado, que incrementa a Em psicoterapia de grupo são oferecidas múltiplas relações com possibilidade de ampliar a empobrecida rede sociométrica destes pacientes, na qual podem experienciar relações de ordem distintas das familiares. Assim, podem também, ampliar os cachos de papéis, desenvolvendo outros recursos emocionais para lidar com as situações de seu cotidiano, o que promove uma quebra de conserva e a estimulação da espontaneidade e da criatividade. O psicoterapeuta de pacientes psicóticos deve ter uma posição existencial socionômica com aproximação vivencial e distanciamento reflexivo; através de seu oferecimento afetivo pode estabelecer contato com o ‘Eu’ impermeável do psicótico, lançando mão de seus recursos saudáveis, emprestando seu eu, a partir de sua intuição télica. Como também manter um distanciamento fenomenológico reflexivo para não se perder no caos da psicose. Em outras palavras, o espaço grupal oferecido a pacientes psicóticos permite que estes experienciem o limite entre o real, o imaginário e o simbólico, possibilitando Apesar do comprometimento na constituição da subjetividade e da sexualidade, o paciente psicótico, diferentemente do imaginário cultural, tem condições de compreender a sua sexualidade. Desmistificar a temática da sexualidade, esclarecer possíveis dúvidas acerca dos efeitos colaterais das medicações psiquiátricas, intervir socioeducativamente, mostram-se como práticas viáveis. Como vimos, sugere-se o Psicodrama e o método de pesquisa-ação-socionômico como recurso de abordagem e tratamento de pacientes graves. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Almeida, W. C. Grupos- a proposta do psicodrama. São Paulo, Ágora,1999. Alvarenga, P.G. e Guerra, A.A. fundamentos em Psiquiatria. São paulo, Manole, Bustos, D.M. O Psicodrama. São Paulo, Agora, 2005. Cuckier, R. Palavras de Jacob Moreno- vocabulário de citações do psicodrama, da psicoterapia de grupo, do sociodrama e da sociometria. São Paulo, Agora, 2002. Davoli, C. Aquecimento - caminhos para a dramatização, In Almeida, W.C.( org.) Grupos- a proposta do Psicodrama. São Paulo, Ed. Agora, 1999. Fleury, H. J. A Redação Científica. Trabalho apresentado no X congresso Brasileiro de Psicodrama. “A Pesquisa no Psicodrama- questões e reflexões”, Fleury,H.J. e Marra, M.M. (org) Intervenções grupais nos direitos humanos. São Yalom, I. D. Psicoterapia de grupo- teoria e pratica. Porto alegre- Artmed, 2006. Fonseca, J.S. Psicodrama da loucura. São Paulo, agora, 1980. __________ Psicoterapia da relação. São Paulo, Agora, 2000. Gonçalves, C. S., Wolff, J.R. e Almeida, W.C. Lições de Psicodrama- Introdução ao Pensamento de J.L. Moreno. São paulo, Agora, 1988. Knobel, A.M. Moreno em Ato- A construção do Psicodrama partir das práticas. Massaro, G. Loucura- uma proposta de ação. São Paulo, Flumen, 1990. _________ Esboço para uma teoria de cena. São Paulo, Agora, 1996. McCann E. Exploring sexual and relationship possibilities for people with psychosis a review of the literature. J Psychiatr Ment Health Nurs. 2003 Dec;10(6):640-9. [ Abstract, PUBMED 2003] McCann E. The expression of sexuality in people with psychosis: breaking the taboos. J Adv Nurs. 2000 Jul;32(1):132-8. [Abstract, PUBMED 2000] Monteiro, R.F. Técnicas fundamentais do Psicodrama- São Paulo, Agora, 1993 Moreno, J. L. O teatro da espontaneidade. São Paulo,Summus, 1923-1975. _________ Quem sobreviverá! Fundamentos da sociometria, Psicoterapia de ________ Psicodrama. São Paulo, Cultrix, 1946-1975. ________ Fundamentos do Psicodrama. São Paulo, Summus, 1959-1983. Silva Filho,L.M.A. Psicoterapia de Grupo com psicóticos: o psicodrama no Hospital Psiquiátrico. São Paulo: Lemos Editorial, 2000. Thiolent, M. Medotologia da pesquisa-ação. São Paulo, Cortez, 1985. Tfauni, JV. A abordagem da função sexual em pacientes portadores de transtornos mentais graves [monografia]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Vieira, D. F. Ética nas psicoterapias de grupo. Revista da Febrap. Wechsler, M.P.F. Pesquisa – Ação e Métodos Socionômicos: uma conexão possível. In: Anais XIX Congresso Brasileiro de Psicodrama. Belo Horizonte, Termo de Consentimento
Pelo presente Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, eu,
______________ me disponho a participar da pesquisa Psicoterapia de Grupo: Um recurso de no tratamento da psicose. Um caso clínico de sexualidade, uma leitura Psicodramática.O meu consentimento em participar da pesquisa deve-se ao fato de ter sido informada pela pesquisadora que a finalidade desta pesquisa é ampliar o estudo nesta área, que exige mais investigação, e o desenvolvimento de planos de cuidados apropriados que atendam as necessidades específicas desta - Identificar na psicoterapia de grupo elementos que possam contribuir para o - Identificar as contribuições do Psicodrama e o método de Pesquisa-ação- socionômico para o tratamento da psicose. Qualquer questão, dúvida, esclarecimento ou reclamação sobre aspectos éticos desta pesquisa favor entrar em contato com: Comitê de Ética Do Instituto Sedes A investigação tem caráter qualitativo. Será garantido o meu anonimato, através da utilização de um nome fictício, por ocasião da divulgação dos resultados e guardado sigilo dos dados confidenciais. Os resultados da pesquisa serão divulgados por meio de apresentação do relatório final para a equipe do curso de Nível I: Psicodramatista Foco Psicoterápico pelo Instituto Sedes Sapienteae. Caso precise, posso entrar em contato com a pesquisadora pelos telefones 0xx1138628481- email: [email protected] Termo de autorização para realização da Pesquisa
Eu, Juliana Vieira Tfauni, portadora do RG 30358521-3, aluna do curso de formação em Psicodrama foco psicoterápico Nível II do Instituto Sedes Sapienteae, situado na cidade de São Paulo; sob a orientação de Luis Amadeo Bragante, venho solicitar a autorização para a utilização de dados colhidos a partir de sessões de grupo de psicoterapia e de informações de arquivo do Hospital Dia A CASA, um dos departamentos do Instituto de Pesquisa em Saúde Mental e Psicossocial A CASA, situado na cidade de São Paulo. Isto foi possível por ser membro desta Instituição, atuando como psicoterapeuta e co-coordenadora de - Identificar na psicoterapia de grupo elementos que possam contribuir para o - Identificar as contribuições do Psicodrama e o método de Pesquisa-ação- socionômico para o tratamento da psicose. Contando com a sua cooperação, agradeço antecipadamente. Beatriz Aguirre – Diretora Clinica e de Formação do Instituto A CASA

Source: http://www.febrap.org.br/anexos/juliana_tfauni.pdf

Document2

De volgende richtlijnen zijn belangrijk tijdens het herstel na een gastric bypass (maagverkleining): Gedurende 4 weken is het afgeraden zware lasten te heffen. Onder zware lasten verstaat men lasten > 5kg. Normale dagdagelijkse activiteiten zoals wandelen en trappen doen zijn wel toegelaten en worden zelfs aangeraden!! Fietsen en intensief sporten zijn niet toegelaten de eerste 4 wek

Information sheet - dgs - is it hazardous or dangerous

Dangerous goods safety information sheet Is it hazardous or dangerous? Hazardous substances are those that, following exposure, can have an adverse effect on health. Examples of hazardous substances include poisons, substances that cause burns or skin and eye irritation, and substances that may cause cancer. Hazardous substances used at mining operations in Western Australia are regulat

Copyright © 2010-2014 Medical Science